telefones

(11) 3822 3312
(11) 3666 2465

Pólipo Uterino

PÓLIPO UTERINO

O que é?

O pólipo uterino se configura como uma espécie de cisto formado a partir do aumento exacerbado de células localizadas na parede interna do útero. Eles podem estar tanto no interior da cavidade uterina, quanto no exterior dela. Também é conhecido como pólipo endometrial.

Na maioria das vezes, o pólipo uterino afeta mulheres que se encontram na menopausa. Porém, existem casos em que ele pode ser desenvolver em mulheres que ainda estão em período fértil. É importante salientar que muitas vezes o pólipo uterino pode causar sangramento vaginal intenso, seja antes ou depois do período menstrual. Dependendo da localidade e tamanho, também pode dificultar a gravidez da mulher.

Quem pode ter:

Não foi comprovado cientificamente, mas pesquisas indicam que as mulheres que mais suscetíveis a desenvolver o pólipo uterino são aquelas com histórico pessoal constituído por pessoas que já desenvolveram a lesão, além de mulheres que enfrentam problemas de hipertensão e obesidade. Outra causa do desenvolvimento do pólipo uterino vem a ser o desequilíbrio hormonal, que ocorre quando a mulher se aproxima da chegada da menopausa. A própria terapia de reposição hormonal, feita para sanar o problema, também pode aumentar as chances da mulher desenvolver a lesão.

Sintomas:

O pólipo uterino muitas vezes não causa sintomas. Mas além do sangramento vaginal, em alguns casos pode provocar irregularidade no período menstrual, dores no pé da barriga e cólicas menstruais intensas.

Tratamento:

Quando está situado fora do útero, o pólipo uterino pode ser detectado já durante os exames de rotina com o ginecologista. Em casos em que ele aparece no interior da cavidade uterina, pode-se suspeitar de seu desenvolvimento a partir do exame de ultrassom transvaginal. Quando isto ocorre, o segundo passo é submeter a mulher a um procedimento denominado histeroscopia, que pode confirmar o pré-diagnóstico.

Felizmente, a maior parte dos tipos de pólipo uterino é benigna. E as chances de ele vir a adquirir uma condição maligna são mínimas. Porém, elas existem. Caso isso aconteça, o exame de histeroscopia avaliará o nível de desenvolvimento da lesão. Em casos simples, ele pode desaparecer sozinho com a ajuda de medicamentos orientados pelo médico. Em situações de grau avançado, o ideal é realizar tratamento para retirá-lo, evitando que este se transforme em um câncer. Caso o pólipo uterino já seja maligno, é necessário realizar uma histeroctomia, que se caracteriza como cirurgia para retirada do útero.